Os efeitos do exercício sobre o coração. Quando você precisa se preocupar?

Os efeitos do exercício sobre o coração. Quando você precisa se preocupar?
Será que passar anos correr maratonas ou de bicicleta para longas distâncias potencialmente forçar o coração de alguém?

Dois grandes estudos recentes em atletas e suas artérias coronárias sugerem que a resposta pode ser sim. Ambos os estudos constataram que atletas de resistência, especialmente os homens, que passam anos treinando e competindo mostram uma surpreendentemente elevada incidência de placas em suas artérias.

Outros estudos já têm indicado que os corredores de maratona, especialmente homens, parecem ter um maior risco de desenvolvimento de suas placas no interior das artérias coronárias do que as pessoas que se exercitam menos. Tais placas são preocupantes, uma vez que se rompem e podem bloquear o fluxo de sangue, causando um infarto.

Em novo estudo, publicado na revista Circulation, pesquisadores da Universidade Radboud, na Holanda recrutaram 284 homens que se exercitaram ao longo de suas vidas adultas. Da mesma forma, cardiologistas da Universidade de St. George, em Londres e outras instituições reuniram quase 300 homens e mulheres, cerca de metade dos quais eram  corredores e ciclistas com uma longa história de treinamento e competição, enquanto os outros voluntários eram em sua maioria sedentários. Nenhum deles tinha qualquer histórico de doença cardíaca.

Em ambos os estudos, longa história de exercícios pesados foi ligada a ter placas arteriais. No estudo holandês, os homens que tinham realizado exercícios intensos, por mais de quatro horas por semana ao longo de suas vidas adultas eram muito mais propensos a ter-placas em suas artérias do que os homens que correram para menos de cerca de uma hora por durante esse tempo, fim de semana. A correlação foi mais forte entre os homens que correram mais intensamente.

Da mesma forma, no estudo britânico, enquanto uma maioria dos participantes tinham artérias limpas, nos atletas os exames mostram placas muito mais neles do que nos sedentários.

Em ambos os estudos, contudo nos mais ativo tinham placas calcificadas e densa. As pessoas menos ativas tinha placas frágeis, com maior risco de romper.

Juntos os estudos sugerem que "Pode haver uma associação entre exercício intenso em elevado volume e calcificação coronária", diz Dr. Benjamin Levine, professor de cardiologia na Universidade do Texas Southwestern Medical Center e diretor do Instituto de Exercício e Medicina Ambiental no Texas Saúde Presbyterian, em Dallas.

"Contudo, as placas parecem ser mais benignas" do que em pessoas que se exercitam menos, diz o professor.

O Dr. Levine e seus colegas estão apenas começando estes estudos de longo prazo, diz ele, atletas deverão serem seguidos durante anos, acompanhando a troca dentro suas artérias e resultados médicos. Contudo os dados disponíveis, sugerem que exercícios de resistência e prolongados, quando muito intensos podem alterar as artérias.

Se você está preocupado com sua saúde cardíaca, tenha cautela se quer correr muitas maratona", diz o Dr Levine, se por outro lado, o seu objetivo é simplesmente fazer  exercício para ser saudável, uma meia-hora de corrida pode ser suficiente".
Fonte: By GRETCHEN REYNOLDS JULY 19, 2017 https://www.nytimes.com/2017/07/19/well/move/the-toll-of-exercise-on-the-heart-and-why-you-may-not-need-to-worry.html?rref=collection%

Gostou? Então compartilhe:

Exames Relacionados

Veja os exames relacionados a esta matéria

Eletrocardiograma

Eletrocardiograma

Exame destinado a registrar a atividade elétrica responsável pelos batimentos do coração. É indolor.

Veja mais
Ergometria

Ergometria

São algumas das diferentes formas de chamar o exame de esforço. Na Cardiométodo pode ser realizado tanto na esteira rolante como na bicicleta ergométrica

Veja mais

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Adolescentes - cada vez mais sedentários

Adolescentes - cada vez mais sedentários

Estima-se que menos de um em cada 10 adolescentes faz os 60 minutos de atividade física por dia que seriam recomendados.Com o objetivo de avaliar o ní...

Leia mais
Caminhar, correr ou dançar: toda a atividade é benéfica para diminuir o envelhecimento cerebral

Caminhar, correr ou dançar: toda a atividade é benéfica para diminuir o envelhecimento cerebral

As pessoas estão vivendo mais nos dias de hoje, mas, a boa notícia vem obscurecida pela expectativa de um possível aumento da incidência de declíni...

Leia mais
Como o exercício pode combater o envelhecimento?

Como o exercício pode combater o envelhecimento?

Por Gretchen Reynolds5 de dezembro de 2019The New York TimesO exercício regular durante a vida adulta pode proteger os músculos contra perdas e lesõe...

Leia mais