Os homens irritados são mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares?

Os homens irritados são mais propensos a desenvolver doenças cardiovasculares?
A doença cardiovascular é a causa mais comum de morte em homens em vários países. A prevenção primária concentra-se na modificação de fatores de risco tradicionais, como o consumo de tabaco, colesterol alto e hipertensão, porém, fatores de risco psicossocial para doença cardiovascular estão sendo considerados relevantes. A raiva e mais recentemente a depressão, sugerem os estudos, poderiam serem fator de risco adicional. 

A raiva, pode ser explicada como fator de risco por ter mecanismos bioquímicos podem ser mediados pela liberação de catecolaminas, aumento da demanda de oxigênio no miocárdio, vaso-espasmo e aumento da agregação plaquetária. A raiva também pode ter um papel na aterogênese. Níveis elevados de raiva podem estar associados à vasoconstrição das artérias coronárias estreitas.

Em estudo realizado pela Johns Hopkins University, onde os participantes eram médicos matriculados entre 1948 a 1964, na própria universidade, avaliou este efeito de raiva sobre o risco cardiovascular. Todos os participantes completaram um exame médico padronizado e questionário sobre história pessoal e familiar, estado de saúde, comportamentos de saúde e reações ao estresse. Os questionários de acompanhamento foram enviados por correio anualmente. Os dados da linha de base incluíam peso, altura, tabagismo, consumo de álcool, hipertensão, hiperlipidemia, história de saúde dos pais, diabetes mellitus e história de depressão clínica. Os auto-relatos de saúde e doença desses participantes foram previamente considerados extremamente precisos.

As reações ao estresse foram quantificadas por questionários sobre a habilidade de lidar com o estresse. Em uma lista de 27 Itens, a raiva foi indicada por uma ou mais das seguintes respostas: "raiva expressa ou escondida", "irritabilidade" e "sessões de queixa".

A principal medida de resultado foi a incidência de CVD prematura (eventos antes dos 55 anos de idade) e eventos cardiovasculares totais. 

Um total de 1055 homens foram incluídos na análise. O acompanhamento médio foi de 36 anos. Os níveis séricos de colesterol, índice de massa corporal e pressão arterial média foram semelhantes em todos os grupos. A idade média no último acompanhamento foi de 64,5 anos.

Dos 1055 homens no estudo, 22% (229 homens) relataram expressar ou ocultar raiva, 16% (169 homens), e irritação de 9% (99 homens). Vinte e um homens (2%) relataram ter experimentado os três itens de raiva. A incidência de DCV antes dos 55 anos foi significativamente maior entre homens com raiva de mais alto nível (20%) em comparação com homens com raiva de nível inferior (7%). Esta diferença deixou de significar após os 55 anos de idade.

Análise bivariada controlada por fatores de risco cardíacos tradicionais, incluindo altos níveis de colesterol sérico e índice de massa corporal alto, histórico familiar de doença coronariana, tabagismo, hipertensão, diabetes mellitus, depressão clínica e uso de álcool . O risco relativo ajustado (RR) de CVD naqueles com raiva de nível mais alto comparado com aqueles com raiva de nível inferior foi de 3.1 (intervenção de confiança de 95%, 1.1 a 8.6). Homens com doença arterial coronariana e homens com infarto do miocárdio ajustaram RR(risco relativo) de 3,5 (IC 95%: 1,1 a 11,8) e 6,4 (IC de 95%: 1,8 a 22,3), respectivamente.

O risco significativamente aumentado de cardiovascular prematura entre aqueles com níveis mais elevados de raiva não pode ser ignorado, especialmente porque esses resultados são consistentes com os resultados de outros estudos que mostraram aumento da incidência de cardiovascular entre aqueles que estão com raiva e reagem de uma forma hostil.

Os efeitos da raiva foram menos expressivos após os 55 anos, considera-se que à partir desta idade outros fatores de risco para cardiovascular tornam-se mais importantes.

Na conclusão:

  • O forte grau de raiva expressa pelos jovens em resposta ao stress foram associadas com um risco aumentado de doença cardiovascular prematura (RR 3,1), particularmente enfarte do miocárdio (RR 6,4).
  • Os efeitos da raiva sobre o CDM são menos importantes depois de 55 anos, provavelmente os demais fatores de risco se tornam preponderantes
  • Resta analisar se administrar melhor o stress pode ajudar a prevenir doença cardiovascular prematura.
Fonte: Vinita Dubey, MDChang PP, Ford DE, Meoni LA, Wang NY, Klag MJ. A raiva em homens jovens e doença cardiovascular prematura posterior: o estudo Juventa. Arch Intern Med 2002; 162: 901-6

Gostou? Então compartilhe:

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Quanto de açúcar há em sua comida?

Quanto de açúcar há em sua comida?

Atualmente as pessoas dispõem de pouco tempo para preparar uma refeição em casa então, comer em o restaurante ou fazer lanches rápidos passou a faz...

Leia mais
Atletas portadores de doença cardiovascular - Novas Diretrizes e Recomendações

Atletas portadores de doença cardiovascular - Novas Diretrizes e Recomendações

As causas cardiovasculares de morte súbita em jovens atletas têm sido bem documentadas. Estas mortes ocorrem em ambos os sexos (embora mais comumente ...

Leia mais
Guerra ao consumo de refrigerante: pode aumentar o risco de ataque cardíaco

Guerra ao consumo de refrigerante: pode aumentar o risco de ataque cardíaco

Novo estudo encontra ligação entre bebidas carbonatadas (sodas e colas) e maior risco de ataques cardíacos Da próxima vez que você estiver com sede...

Leia mais