Efeitos cardiovasculares das bebidas energéticas na síndrome do QT longo familiar

Efeitos cardiovasculares das bebidas energéticas na síndrome do QT longo familiar
Bebidas energéticas com cafeína podem desencadear eventos cardíacos graves, incluindo parada cardíaca, em indivíduos que eventualmente não tenham conhecimento de ter uma doença cardíaca específica de origem genética. 

Cientistas da Austrália avaliaram o risco de eventos cardíacos após o consumo de bebidas energéticas em pacientes com síndrome de QT longo congênito, uma condição que afeta 1 em cada 2000 indivíduos e podendo causar aceleração dos batimentos cardíacos e irregulares que podem levar à morte súbita. 

Em seu estudo publicado no International Journal of Cardiology, eles relatam que mesmo pequenas quantidades de bebidas energéticas podem causar alterações no coração que podem levar a arritmias que ameaçam a vida.

Recomendam cautela a pacientes jovens, alguns dos quais ainda podem ignorar esta condição genética e se existente de fato o perigo.

Houve nos últimos 15 anos uma explosão no consumo de "bebidas energéticas", atualmente é consumido por milhões de pessoas.

Os efeitos hemodinâmicos de bebidas energéticas em adultos jovens saudáveis foram avaliados em estudos anteriores com resultados incluindo aumento da pressão arterial, mas sem alteração da frequência cardíaca. Este é o primeiro estudo especificamente projetado para testar os efeitos dessas bebidas energéticas em indivíduos que carregam as falhas do gene (mutações) causando síndrome de QT longo congênita.

"O potencial risco cardiovascular de bebidas energéticas continua a emergir como um importante problema de saúde pública", explicou o investigador principal Christopher Semsarian, da Universidade de Sydney e Centenary Institute, na Austrália. "A população mais em risco é adolescentes e adultos jovens, representando a população essas bebidas são mais fortemente consumidas.

Uma vez que as bebidas energéticas são amplamente disponíveis para todas as idades e de balcão, é importante que os efeitos cardiovasculares destas bebidas sejam conhecidos.

O estudo foi concebido para avaliar as respostas cardiovasculares agudas ao consumo de bebidas energéticas em doentes com síndrome de QT longo familiar e para descobrir se quaisquer efeitos cardiovasculares identificados correlacionam com alterações nos níveis sanguíneos dos ingredientes ativos como cafeína e taurina.

Os investigadores recrutaram 24 pacientes com idades entre 16 e 50 anos. Mais de metade eram sintomáticos antes do diagnóstico e receberam terapia com betabloqueador. A maioria tinha sido submetida a testes genéticos, 13 dos quais tinham uma mutação documentada provavelmente patogênica.

Os participantes foram divididos em dois grupos para um deles designado para ingerir a bebida energética e o outro grupo outra bebida, para formar o grupo controle. A bebida energética consistiu em duas latas Red Bull sem açúcar, totalizando 160mg de cafeína e 2000mg de taurina, totalizando 500ml. A bebida controle foi uma bebida de 500ml de base cordial, sem cafeína ou taurina.

Os eletrocardiogramas e a pressão arterial foram registrados a cada 10 minutos, enquanto que os testes de eletrocardiograma de média de sinal (SAECG) e sangue de repetição foram coletados a cada 30 minutos para um tempo total de observação de 90 minutos.

Os resultados do estudo mostram que três pacientes (12,5%) apresentaram prolongamento QT perigoso após o consumo de bebidas energéticas e dois dos três apresentaram acentuados aumentos na pressão arterial. Todos esses pacientes apresentavam histórico familiar de morte cardíaca súbita e dois deles já haviam sofrido manifestações clínicas graves e receberam um cardioversor-desfibrilador implantável para síncope recorrente.

"Alguns pacientes individuais podem estar em maior risco", comentou o professor Semsarian. "Portanto, sugerimos cautela em permitir o consumo de bebidas energéticas em pacientes jovens com síndrome de QT longo congênito."

Disse o professor Peter J. Schwartz, diretor do Centro de Arritmias Cardíacas de Origem Genética, IRCCS, Milão, Itália comentou: "Os dados sugerem que a maioria dos pacientes síndrome de QT longo congênito têm a primeira manifestação após a adolescência, o que implica que um número significativo de jovens com síndrome de QT longo poderá usar bebidas energéticas sem conhecer a sua condição real e, assim, se colocar em perigo".

"Quando algo, neste caso bebidas energéticas, é ingerido por milhões de pessoas em todo o mundo, uma percentagem como 12,5% já não é pequeno, e os resultados merecem consideração cuidadosa", acrescentou a coautora Federica Dagradi, MD, Do Centro de Arritmias Cardíacas de Origem Genética, Instituto Auxologico Italiano. "Devemos evitar espalhar alarmes e medos injustificados, mas ao mesmo tempo, não devemos ignorar perigos potenciais."

Fonte:

Efeitos cardiovasculares das bebidas energéticas na síndrome do QT longo familiar: um estudo cruzado randomizado, Belinda Gray, Jodie Ingles, Caroline Medi, Timothy Driscoll e Christopher Semsarian, International Journal of Cardiology, doi: 10.1016 / j.ijcard.2016.12. 019, publicado em 15 de março de 2017.

Gostou? Então compartilhe:

Exames Relacionados

Veja os exames relacionados a esta matéria

Ergometria

Ergometria

São algumas das diferentes formas de chamar o exame de esforço. Na Cardiométodo pode ser realizado tanto na esteira rolante como na bicicleta ergométrica

Veja mais
Holter

Holter

Registro do eletrocardiograma por 24 horas consecutivas. A Cardiométodo possibilita agendamento rápido e agilidade no resultado

Veja mais
MAPA

MAPA

Exame destinado a registrar diversas medidas predeterminadas da pressão arterial durante 24 horas.

Veja mais

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Correndo muito e morrendo rápido ou correndo muito e vivendo muito?

Correndo muito e morrendo rápido ou correndo muito e vivendo muito?

Correr ou fazer exercícios além do necessário é uma questão de gosto e prazer pessoal, mas, qual é o risco que esta decisão acarreta? Artigo...

Leia mais
Yoga e doença cardiovascular

Yoga e doença cardiovascular

Uma revisão recente de yoga e doença cardiovascular, publicado no European Journal of Preventive Cardiology indica que a ioga pode ajudar a reduzir o ...

Leia mais
Estilo de vida saudável e a redução do risco de infarto do miocárdio

Estilo de vida saudável e a redução do risco de infarto do miocárdio

Aproximadamente 4 em 5 infartos em homens podem ser prevenidos com um estilo de vida saudável, conforme estudo da Dr. Agneta Åkesson (Karolinska Insti...

Leia mais